quinta-feira, 25 de maio de 2017

Noite dos Museus 2017


Noite dos Museus 2017


.
.
.
Sábado passado, 20 de maio, estive no MARGS, o Museu de Arte do Rio Grande do Sul, para ver a edição 2017 da Noite dos Museus.
De fato, estive em frente ao MARGS, pois a muvuca era grande. O fato dos museus estarem abertos à noite, e promoverem shows musicais em seus interiores trouxe grande quantidade de pessoas para a Praça da Alfândega.
A iniciativa é boa, mas acho que teria sido melhor se os shows tivessem sido em frente aos museus, até porque os prédios não têm acústica muito boa. E, sim, acho que a maior parte das pessoas estava ali pelos shows, não pelos acervos museológicos.
De quebra, havia "food trucks" vendendo comida e bebida estacionados na Avenida Sepúlveda, entre o MARGS e o Memorial do Rio Grande do Sul.
Divertido. Mas podia ser melhor.



24/05/2017.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Lembrando de 007


Lembrando de 007


Não tenho certeza de qual foi o primeiro filme de 007 a que assisti. Provavelmente "O Satânico Dr. No" ("Dr. No"), produção de estreia da franquia de 1962, em alguma reprise na televisão em preto e branco, nos anos 1970.
Certo é que por algum motivo que não sei explicar me tornei fã da série. É possível que o primeiro dos filmes a que assisti no cinema tenha sido "O Foguete da Morte" ("Moonraker"), de 1979, mas talvez a memória me traia. Contudo acho que foi esse sim, com uma batalha no espaço. 007 emulava Guerra nas Estrelas. De quebra tinha cenas no Brasil. 007 era interpretado por Roger Moore então. 007 passava pelo Carnaval do Rio de Janeiro e enfrentava o supervilão "Jaws" no bondinho do Pão de Açúcar.
Eu devo ter visto "Octupussy" (1983) num dos antigos cinemas de rua da Rua da Praia. Cacique? Scala? Imperial? Um desses.
Também me lembro que devo ter visto "007 na Mira dos Assassinos" ("A View to Kill") no velho cinema Avenida que ficava na Avenida João Pessoa. Ou será que foi no Center, que ficava na mesma João Pessoa, no Centro Comercial (então o primeiro "shopping center" da cidade)?
Pois é. Por motivos que não sei explicar, me afeiçoei à série. Talvez por começar a ver os filmes no final da infância, início da adolescência, e ver um agente "com licença para matar" e sedutor, sempre rodeado de belas mulheres.
Ao longo dos anos vi os filmes com Sean Connery, George Lazenby, Roger Moore, Timothy Dalton, Pierce Brosnan e Daniel Craig. Os vi na televisão em preto e branco, depois a cores, em fitas VHS, em DVD's. E claro no cinema.
No cinema, como eu disse, o primeiro 007 que vi foi Roger Moore. "Moonraker" como eu disse. Ele trabalhou em sete filmes da série ao longo de doze anos.
Ontem foi divulgada a morte do ator, aos 89 anos. Foi o primeiro ator da série oficial de 007 a falecer.

24/05/2017.


quarta-feira, 17 de maio de 2017

O desafio do B52


O desafio do B52


De fato, eu não tenho certeza que seja mesmo o desafio "B52", mas vamos tentar descrevê-lo. Aconteceu comigo no London Pub.
Num copo padrão, 50 ml, coloque uma porção de licor de café (ou seria de cacau?), uma porção de Amarula e uma porção de tequila. Pegue um maçarico e toque fogo na mistura.
A pessoa que vai beber recebe um canudo de plástico, que deve enfiar até o fundo do copo e sugar tudo de um gole só.
Eu falhei miseravelmente. Tive que voltar duas vezes ao fundo do copo para concluir a ingestão.
Talvez tenha faltado prática. Quem sabe se eu tomasse dois ou três?
Enfim, quem puder e estiver disposto que experimente.



15/05/2017.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Clube da Esquina Tributo no London Pub - 13/05/2017


Clube da Esquina Tributo no London Pub - 13/05/2017


Pois no sábado passado estive no London Pub, ali na José do Patrocínio quase na esquina com a Venâncio, numa noite de chuva fina e temperatura amena, para assistir um show da banda "Clube da Esquina Tributo".
Como se poderia esperar, "Clube da Esquina Tributo" é uma banda que se dedica à memória do "movimento"(?) Clube da Esquina, que gerou dois discos homônimos, "Clube da Esquina" e "Clube da Esquina 2", e mais uma série de outros. Por exemplo, no show desse sábado foram cantadas músicas do disco "Lô Borges", do Lô Borges, e do grupo 14 Bis.
A promessa era de um show longo, com umas duas horas, e umas trinta músicas. Infelizmente não deu. Houve um atraso e o show ficou nas quinze ou dezesseis primeiras.
O setlist teve:
- Clube da Esquina 1;
- Trem Azul;
- Nada Será Como Antes;
- Trem de Doido;
- Nuvem Cigana;
- Tudo Que Você Podia Ser;
- Um Girassol da Cor de Seus Cabelos;
- Clube da Esquina 2;
- Amor de Índio;
- Feira Moderna;
- Para Lennon e McCartney;
- Eu Sou Como Você É;
- A Força do Vento;
- O Caçador;
- Mesmo de Brincadeira;
- Fé Cega, Faca Amolada.
O Clube da Esquina Tributo é composto por Alemão Jef (vocal e violão de 12 cordas), Dionara Schneider (piano), Zeca Garcia (guitarra), Rainer Campos (bateria) e Daniel Vlacic (baixo).
O London Pub estava cheio de gente, e ficou cheio de emoção daquelas pessoas que se emocionaram com as músicas da turma de Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes e outros mais.
.

.

.

.

.

.

.

.

15/05/2017.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Grupo Versão Brasileira no Café Fon Fon - 07/05/2017


Grupo Versão Brasileira no Café Fon Fon - 07/05/2017



Domingo passado à noite estive no Café Fon Fon para assistir apresentação do Grupo Versão Brasileira. Como eles mesmos dizem, o Grupo fez um show de "Jazz e Música Instrumental Brasileira".
Foram cerca de duas horas de show, com um pequeno intervalo, depois de transcorrida a primeira hora. O show abriu com uma versão instrumental de "Cravo e Canela", e rodou por mais Milton, Edu Lobo, John Coltrane e Pat Metheny, entre outros (não pedi um "setlist" oficial).
O público na maior parte do tempo acompanhou o show com silenciosa reverência e calorosas palmas.
Para quem gosta do tipo de música, o show é imperdível.
O Grupo Versão Brasileira é composto por Antonio Xavier (violão e guitarra), Marcelo Leal (baixo), Rubem Penz (bateria) e Felipe Braga (sax e clarineta).

.



.



.

.


.

10/05/2017.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Cinema, Guardiões da Galáxia



Só para que eu não esqueça. Estive assistindo o filme "Guardiões da Galáxia - Volume 2". 
Foi sábado passado, dia 6, no Imax, do Cine System do Bourbon Wallig.


08/05/2017.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Sarau Palavra Falada - 26/04/2017

Sarau Palavra Falada - 26/04/2017


.


.
Quarta-feira passada estive na novamente no Sarau Palavra Falada, com a escritora Ana Mello.
No momento a periodicidade do Sarau é mensal, ocorrendo na última quarta-feira de cada mês, às 18h, no Café do MARGS.
Desta vez não houve um(a) poeta convidado, e o tema foi "Mulherio das Letras". Como estive presente, é possível constatar que esse tema não foi estrito. Mas de fato havia umas 10 mulheres e dois varões, incluindo eu.


Li poemas de Mário Ulbrich:


Amanhecer em Ti


Sol no horizonte.
Raio de luz rasgando o céu,
Pousa na tua fronte.


Ausência


Teu olhar, Velha Tia,
No retrato da parede
Da sala vazia.


01/05/2017.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Ainda sobre filmes que tenho assistido

Ainda sobre filmes que tenho assistido


Para eu não perder a conta.
Dia 17 de março, assisti ao filme inglês "Negação".
No dia primeiro de abril, "A Vigilante do Amanhã", adaptação estadunidense da animação japonesa "Ghost in the Shell". E isso não é mentira.
Por fim, em 16 de abril, foi dia de assistir "Fragmentado", o filme mais recente do diretor M. Night Shyamalan.
Outros hão de vir.


25/04/2017.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Sábado de Aleluia


Sábado de Aleluia


Sábado passado, 15 de abril, foi Sábado de Aleluia. De fato não sei porque o nome "Sábado de Aleluia". Remeteria a sábado de louvor a Deus. Todo dia deveria ser de louvor a Deus, e em especial todo sábado.
Historicamente é o segundo dia da morte de Jesus, que ressuscitou no dia seguinte, o domingo, terceiro dia.
No tempo da minha infância, Sábado de Aleluia era dia de malhar o Temer, quero dizer, o Judas. Acho que nunca cheguei a participar dessa malhação do Temer, isto é, do Judas. Mas lembro que sempre passava à noite no Jornal Nacional.
Não sei como anda a tradição, mas acho que todo dia é tempo de malhar o Temer, o Judas.
Faz muito tempo que não assisto mais o Jornal Nacional.


18/04/2014.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Adorável - o perfil de Leonard Cohen na revista Piauí de março/2017


Adorável - o perfil de Leonard Cohen na revista Piauí de março/2017


A revista Piauí de março de 2017 traz em sua edição de março de 2017 um perfil de Leonard Cohen - poeta, cantor e compositor, escrita por David Remnick, com tradução de Sergio Flaksman.
O resultado desse longo perfil, como é tradição na revista, é o retrato de um homem adorável. Poeta, cantor, compositor, sedutor, judeu, canadense, budista, que amou e foi amado por muitas mulheres, e com elas manteve laços mesmo após o fim dos relacionamentos.
O homem, nascido de uma família bem estabelecida no Canadá, foi viver em Londres, e de lá se empolgou com o sol do Mediterrâneo, resolvendo morar na Grécia, em uma das tantas ilhas daquele país. Lá encontrou seu primeiro grande amor, Marianne. Mulher que lhe inspirou, com a qual viveu um grande amor, e manteve contato de amizade após a separação até a morte dela, não muito tempo antes do falecimento do próprio Cohen. O escritor e poeta que foi se aplicar à música, já no fim da juventude, e teve dificuldades em lidar com o público em suas primeiras apresentações. O compositor que quando mostrava suas composições em público, sempre conseguia atrair a atenção de muitas mulheres.
Isto que digo é apenas um sumário. Vale a pena conferir este perfil que, surpreendentemente, está aberto no sítio da revista Piauí.



05/04/2017.